Posts Tagged: crônicas

Rai Lispector
Sua vida não é um livro aberto!
junho 14, 2017
1
, ,

Em junho de 2011 eu fui aprovada em 7º lugar para Engenharia de Alimentos na UFRRJ. Era um sonho antigo passar para uma instituição federal e tudo na minha vida conspirava para que eu me jogasse naquele momento. Mudei de cidade, de estado civil, abandonei a faculdade que cursava como bolsista e fui. Nossa, QUE IRADO! Vou ser muito feliz lá, já moro sozinha há um tempo, vou tirar de letra, vou fazer amigos descolados e me formar! O que pode ser mais perfeito?!

Mas a vida não é um episódio de Malhação com o Chorão cantando na abertura. Os meses foram passando e eu não conseguia trabalho na região e nem uma bolsa de apoio financeiro dessas que a faculdade oferecia. Eu não conseguia me adaptar àquela cidade pequena e aquela rotina de estudante, e isso refletia diretamente nas notas das disciplinas e eu não entendia o porquê, já que sempre fui estudiosa e dedicada. Assim, o semestre acabou, junto com a minha esperança.

Era triste demais admitir que não tinha dado certo, que eu precisaria voltar à cidade que eu morava e começar de novo. Mas isso foi tranquilo, eu não tenho compromisso com o erro.  O que mais me doía era ouvir a mesma pergunta de 99% das pessoas que me conheciam: UÉ, VOCÊ NÃO TINHA IDO ESTUDAR NA RURAL?!
Cada vez que eu ouvia isso, uma parte do meu coração caía na sarjeta e a Comlurb levava pro lixão. Eu me sentia na obrigação de explicar pra todo mundo (quem de fato se importava ou quem era só curioso) o que tinha acontecido, que eu tinha tentado, que eu não era uma frouxa…”por favor acredite em mim, eu tentei muito.”

Comecei a evitar lugares e pessoas que pudessem me perguntar qualquer coisa a respeito. Porque doía, de verdade.
Até que um dia, encontrei uma conhecida que perguntou sobre qual faculdade eu fazia, então eu respondi que não gostaria de falar sobre o assunto e expliquei o quanto me sentia mal em ter que explicar aquilo a todo momento. Ela carinhosamente me disse uma coisa linda que me fez viver com muito mais leveza: ” Raísa, você não precisa explicar nada pra ninguém, SUA VIDA NÃO É UM LIVRO ABERTO! “

Porraaaaa mano, como eu não tinha sentido isso?! Eu não tinha que dar explicações sobre as minhas escolhas, elas eram MINHAS e isso já explicava tudo! Dali em diante a minha resposta era: ” É, eu estudava lá, mas não estudo mais! “
Eu podia estar triste com a situação, mas respondia sempre com força e um sorriso. O assunto morria ali. Afinal, minha vida não era um livro aberto.

Desejo que você feche seu livro, guarde sua história e leia somente quando estiver (e para quem estiver) de coração aberto!

Rai

Saúde & Bem Estar
Sempre tem alguém que: “Noossa, não vi nada demais!”
junho 6, 2017
0
, , ,

Há alguns anos atrás tive a oportunidade de conhecer a Fabiana (nome fictício – sempre quis escrever isso porque acho muito adulto), uma jovem que, além de qualidade e defeitos como qualquer pessoa, tinha sempre um comentário pejorativo a fazer sobre as realizações do outro. Se alguém chegava com um vestido bonito e todos elogiavam, ela comentava que aquele zíper é uma merda e estoura muito fácil!
Uma amiga conseguiu comprar um apê, que bacana! Mas Fabiana lembrou que com o Minha Casa, Minha Vida qualquer um consegue comprar uma casa. Isso não era nada demais!
E quando eu disse para Fabiana que ganhei um par de convites para uma festa bacanérrima, ela contou que a produtora dessa festa era amiga dela, e que eles realmente estavam distribuindo alguns ingressos para “dar uma movimentada” no evento …
Fabiana fez inúmeros comentários desse tipo.
Ao longo da vida eu conheci mais algumas outras Fabianas.
Provavelmente você também conhece uma Fabiana!

Porque estou te contando isso?
Primeiramente para que você saiba que suas realizações são INCRÍVEIS sim, (por mais que alguém te diga o contrário), seja um vestido que encontrou na liquidação ou a aprovação num concurso público.
E também para pedir que você olhe com amor para as pessoas que agem dessa forma, e que inclua elas nas suas orações. Elas precisam.
Não é difícil entender que essas pessoas tiveram um problema de autoestima, que involuntariamente (ou não) as empurram para comentários ou ações que diminuam o outro.
As vezes uma criança que não ouviu muitos elogios, um adolescente que foi muito cobrado nos estudos, enfim …
Tô te convidando pra ver o outro lado. Não tô pedindo pra você abstrair que Fabiana tem atitudes escrotas (continuo achando escroto pra caralho), mas peço que você não guarde a mágoa que transbordou a Fabiana e respingou em você!
Se você ainda achar que Fabiana não merece sua compaixão, FAÇA ISSO POR VOCÊ!

Espero que tenham gostado do texto. Eu amei, mas a Fabiana não vai ver nada demais …
Oremos!